Cirurgia robótica

Pioneirismo em Cirurgia Robótica urológica no Centro Oeste

A urologia passou por algumas transformações importantes nas últimas décadas com o surgimento da cirurgia laparoscópica. O acesso aos órgãos internos do paciente não mais era obtido pelas clássicas incisões, mas através de pequenos orifícios pelos quais se introduziam pinças e câmeras. Inicialmente imaginou-se que estas técnicas substituiriam definitivamente a maneira tradicional de se operar.

O tempo, entretanto, mostrou que se em alguns casos a laparoscopia de fato tinha se tornado o método de eleição para o tratamento, em outros a cirurgia aberta ainda permanecia como primeira escolha: se não melhor, ao menos equivalente em seus resultados. Isso porque a laparoscopia é tecnicamente desafiadora, com uma curva de aprendizado acentuada e determina certa limitação aos movimentos do cirurgião.

O debate se reacende com uma evolução da cirurgia laparoscópica. O acesso é o mesmo – minimamente invasivo – com a introdução de câmera e pinças por pequenas incisões, mas agora os movimentos são exercidos com maior precisão por braços robóticos ligados a instrumentos que imitam os movimentos da mão humana.

Há cerca de 10 anos os consoles robóticos estão disponíveis no Brasil, mas nos últimos anos, passada a euforia inicial, dados mais completos nos mostram que essa técnica tem vantagens em alguns aspectos fundamentais.

Vantagens em relação à cirurgia convencional (aberta):

  • Menos invasiva/cortes menores;
  • Reduz sangramentos, dores e risco de infecção;
  • Recuperação mais rápida do paciente;
  • Menor tempo de internação.

Vantagens em relação à cirurgia laparoscópica tradicional:

  • Mais precisão nas cirurgias em locais de difícil acesso, como na região da pelve;
  • Melhor ergonomia — O cirurgião fica sentado em posição confortável, o que ajuda nas cirurgias longas;
  • Mais intuitivo — O robô reproduz movimentos similares aos do cirurgião. Na laparoscopia convencional, o mecanismo de movimentação dos instrumentos cirúrgicos é inverso. O cirurgião movimenta os dedos para a esquerda e a pinça se move para a direita;
  • Visão tridimensional para os cirurgiões.

Prostatectomia radical robótica

Play

Nefrectomia robótica parcial direita

Play

Cirurgia robótica – visão geral

Play

Cirurgia robótica para tumores renais

Play

Dr. Sandro Faria

Urologista – Especialista em Cirúrgica Robótica

  • Graduação em Medicina na USP- RP.
  • Especialização em Cirurgia Geral e Urologia pelo HCFMRP- USP.
  • Fellow em Urologia – Emory University, Atlanta – EUA.
  • Capacitação em Cirurgia Robótica no Intuitive Surgical Training Center Hackensack University Medical Center, NJ- EUA e Florida Hospital Nicholson Center, FL –EUA – 2008.
  • Capacitação em Cirurgia Prostática com Green Laser – AMS no Houston Methodist Hospital, TX – EUA– 2010.
  • Médico Urologista do Núcleo de Cirurgia Robótica do Hospital Albert Einstein – SP.
  • Proctor* em Cirurgia Prostática a Laser – American Medical System. AMS.
  • Proctor* em Cirurgia Robótica Urológica – Intuitive Surgical, Inc. – da Vinci Surgical System.
  • Membro Internacional da Associação Americana de Urologia (AUA).
  • Membro Titular Sociedade Brasileira de Urologia (SBU).
  • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Videocirurgia (SOBRACIL).
  • Certificação Mundial em Cirurgia Robótica (Center of Excellence).