Já se sabe há algumas décadas que existem evidências de declínio concomitante na qualidade espermática e da dieta. Entretanto, ainda se estuda qual a real influência dos hábitos alimentares na fertilidade. Pesquisadores da Universidade de Harvard publicaram um estudo comparativo entre dois grupos de adultos jovens (entre 18 e 22 anos). O primeiro caracterizava-se pela ingestão de altas quantidades de carne vermelha ou processada, pizzas, salgadinhos, doces e refrigerantes. O segundo consistia em indivíduos com dietas ricas em peixes, carnes brancas, frutas, vegetais, legumes e grãos. Notou-se uma diferença significativa na motilidade espermática, 11% maior no grupo com alimentação saudável. A motilidade é importante já que os espermatozoides, depositados durante a ejaculação no colo do útero, têm que se deslocar o equivalente a 9km (fazendo-se a proporção de tamanho, obviamente) até encontrarem o óvulo no terço distal da trompa, onde ocorre a fecundação.
Por Dr. Rogério Vitiver

Fonte: A.J.Gaskins, D.S.Colaci, J. Mendiola, S.H.Swan and J.E.Chavarro: Dietary Patterns and Semen Quality in Young Men. Hum Reprod 2012; 27: 2899-2907